Noruega, Irlanda e Espanha anunciam que irão reconhecer o Estado palestino

Líderes da Noruega, Irlanda e Espanha anunciaram nesta quarta-feira (22) que seus países reconhecerão um Estado palestino dentro de poucos dias, provocando uma disputa diplomática com Israel.

O primeiro-ministro da Noruega, Jonas Gahr Store, e o primeiro-ministro da Espanha, Pedro Sanchez, anunciaram que seus países oficializarão o reconhecimento do Estado palestino em 28 de maio, em um movimento conjunto com a Irlanda.

O líder irlandês, Simon Harris, declarou esperar que outros países se unam a essa onda de apoio ao Estado palestino nas próximas semanas.

Nas últimas semanas, vários países da União Europeia indicaram que planejam declarar o reconhecimento de um Estado palestino, argumentando que uma solução de dois Estados é essencial para uma paz duradoura na região.

“Não pode haver paz no Oriente Médio se não houver reconhecimento”, disse Gahr Store numa coletiva de imprensa.

Na Irlanda, o Taoiseach Simon Harris chamou o reconhecimento de “um dia histórico e importante para a Irlanda e para a Palestina”.

O primeiro-ministro da Irlanda afirmou que o reconhecimento decorre da crença na “liberdade e justiça” e que a paz só pode ser garantida pela “livre vontade de um povo livre”.

Falando à Câmara Baixa da Espanha, Pedro Sánchez afirmou que o reconhecimento da Palestina por parte da Espanha é uma decisão “pela paz, pela justiça e pela coerência”.

“A Espanha será acompanhada por outros países europeus”, afirmou. “Quanto mais formos, mais cedo conseguiremos um cessar-fogo. Não vamos desistir.”

Resposta de Israel

Jerusalém não gostou dos anúncios e respondeu chamando de volta seus embaixadores da Irlanda, Espanha e Noruega para consultas imediatas.

“Estou enviando uma mensagem inequívoca… Israel não deixará isso passar silenciosamente”, disse o ministro das Relações Exteriores, Israel Katz.

O ministro também convocou os enviados dos três países em Israel para “severas reprimendas” e informou que seriam mostradas imagens do sequestro de cinco mulheres soldados israelenses em 7 de outubro, durante o ataque surpresa do Hamas, cuja divulgação estava prevista para a noite de quarta-feira.

A filmagem “ressaltará para eles a decisão distorcida que seus governos tomaram”, afirmou Katz em um comunicado. “A medida deles terá consequências graves.”

Israel ainda considerará medidas posteriores contra os três países, informou uma autoridade israelense ao The Times of Israel.

O Ministro das Finanças, Bezalel Smotrich, exigiu “duras medidas punitivas” contra a Autoridade Palestina, anunciando que cortará a transferência de fundos fiscais para o órgão administrativo palestino.

Ele também apelou à anulação de um mecanismo estabelecido com a Noruega para facilitar a transferência de salários aos funcionários da Autoridade Palestina em Gaza e exigiu que Israel aprovasse milhares de novos assentamentos em retaliação.

Reveses diplomáticos

O reconhecimento de um Estado palestino pelos três países é o mais recente de uma série de reveses diplomáticos para Israel no combate ao Hamas. Na terça-feira, o Tribunal Penal Internacional anunciou que procurava mandados de prisão para o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu e o ministro da Defesa, Yoav Gallant, por potenciais crimes de guerra, além de três líderes do Hamas.

Israel argumentou que o reconhecimento unilateral de um Estado palestino seria agora visto como uma recompensa pelo ataque do Hamas no sul de Israel, em 7 de outubro, quando cerca de 1.200 pessoas foram massacradas e 252 raptadas, muitas das quais permanecem reféns em Gaza.

A campanha militar de Israel para livrar a Faixa de Gaza do grupo terrorista Hamas despertou simpatia mundial pelos palestinos e galvanizou o apoio ao reconhecimento do Estado em algumas capitais.

“A Irlanda e a Noruega pretendem enviar uma mensagem aos palestinianos e ao mundo inteiro – o terror compensa”, disse Katz, acrescentando que estão “dando um prêmio ao Hamas e ao Irã”.

128 reféns

Israel afirmou que o reconhecimento também prejudicaria os esforços para trazer de volta os 128 reféns ainda detidos em Gaza, mas assegurou que os anúncios não afetariam o esforço de guerra de Israel.

Um alto funcionário do Hamas atribuiu os reconhecimentos à “corajosa resistência” do povo palestino.

“Estes reconhecimentos sucessivos são o resultado direto desta corajosa resistência e da lendária firmeza do povo palestino… Acreditamos que este será um ponto de virada na posição internacional sobre a questão palestina”, disse Bassem Naim, membro sênior do gabinete político do Hamas à AFP.

Autoridade Palestina

Em Ramallah, o Presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, saudou os anúncios e apelou a outros países europeus para seguirem o exemplo e reconhecerem o Estado da Palestina “a fim de alcançar uma solução de dois Estados baseada nas resoluções internacionais e nas fronteiras de 1967”.

O principal funcionário da Organização para a Libertação da Palestina, Hussein al-Sheikh, também comemorou os anúncios, chamando-os de “momentos históricos em que o mundo livre triunfa pela verdade e pela justiça após longas décadas de luta nacional palestina”. Ele afirmou que o reconhecimento levaria “à estabilidade, segurança e paz na região”.

No início deste mês, a Eslovênia iniciou o procedimento para o reconhecimento de um Estado palestino como uma forma de alavancar esforços para pôr fim ao conflito em Gaza. O primeiro-ministro Robert Golob afirmou que 13 de junho seria o último dia para o reconhecimento do Estado palestino por seu país.

Cerca de 144 dos 193 Estados-membros das Nações Unidas já reconhecem um Estado palestino, incluindo a maior parte do sul global, além da Rússia, China e Índia. No entanto, apenas uma parte dos 27 membros da União Europeia fez esse reconhecimento até agora.

Posição dos EUA

Os EUA há muito se opõem aos esforços palestinos para garantir unilateralmente o status de Estado, argumentando que esse objetivo deve ser alcançado por meio de negociações diretas com Israel.

Washington também afirmou que a Autoridade Palestina precisa passar por reformas significativas antes de ser reconhecida como um Estado. Ramallah há muito é marcada por alegações de corrupção e má gestão.

As medidas tomadas por cada país não afetam o reconhecimento de um Estado palestino pela União Europeia, uma vez que essa decisão deve ser tomada por unanimidade por todos os Estados-membros.

Oito países da União Europeia reconhecem um Estado palestino: Bulgária, Chipre, República Checa, Hungria, Polônia, Romênia, Eslováquia e Suécia. Malta reconhece o conceito de um Estado palestino e indicou que poderá em breve formalizar esse reconhecimento, juntamente com a Eslovênia.

A Suécia é o único país que reconheceu um Estado palestino enquanto já era membro da União Europeia; os demais o fizeram quando ainda faziam parte do bloco soviético.

A Noruega não é membro da União Europeia, mas está estreitamente alinhada com o bloco e é membro do Espaço Econômico Europeu.

Está gostando do conteúdo? Compartilhe!